HOME 1    portugu√™s    HOME 2


Olá, avó (conto)

Harald Renner


"Olá avó, queria voltar a entrar em contacto. Como é que está?

"Na mesma como sempre. E tu, Grete?"

"Óptima."

"O que queres dizer com: bem? Tens uma voz tão engraçada."

"Não estou muito bem. Na verdade, o diabo está a acontecer comigo."

"Foi o que eu pensei. Vá lá, conta-me!"

E assim Grete Hansen desabafou toda a sua mágoa. No final, já não tentava reprimir as lágrimas.

Por vezes, tinha de se alongar um pouco mais para que a avó a pudesse compreender melhor. Desde os quatro anos de idade de Grete, após o acidente dos pais, os avós tornaram-se o seu apoio, refúgio e conforto. O avô tinha perdido a sua batalha contra o cancro do pulmão há dez anos. Depois disso, só a avó e ela eram a sua família.

"A Inke esteve lá ontem", diz Grete.

"Ela ainda é a tua melhor amiga?"

"Sim, e infelizmente a única. Ela contou-me sobre o Klaus. Ele apareceu de repente no ginásio dela."

"O que é que ele queria lá?"

"Provavelmente queria saber se eu o tinha perdoado."

"Perdoaste?"

"Não, claro que não! Não se pode perdoar uma coisa dessas."

"Nem mesmo depois de cinco anos?"

"Nem mesmo depois de cem anos. Ele fugiu. Vivemos bem juntos durante tanto tempo, como se fôssemos casados. E depois diz-me ao pequeno-almoço, sem qualquer aviso, que se apaixonou outra vez e que é como um acaso mágico para ele, uma treta barata."

"Como é que reagiste a isso?"

"Acho que não queres saber. Algo do género: "Desaparece, agora mesmo, e nunca mais apareças na minha casa! A porcelana ficou intacta, eu ainda precisava dela."

"E agora? Ele ainda está a viver com a outra mulher?"

"O Inke disse que ele era solteiro há muito tempo. Perguntou por mim e disse que se arrependia de tudo. Ele ajudava-me sempre que eu estava em apuros. Sem esperar nada em troca."

"Isso soa-me bem, não soa?"

"Não conheces o Klaus. Ele diz sempre coisas dessas com um motivo oculto. E agora provavelmente pensa que me pode comprar de volta, basta pôr um maço de notas na mesa da cozinha e continuamos onde ficámos há anos."

"Foi isso que ele disse que queria?"

"Não tão diretamente, mas a Inke tinha a sensação de que ele ainda me amava."

"Isso é importante para ti?"

"Por amor de Deus, não! Quando ele ainda vivia com aquela miúda, isso nem sequer era um problema para ele. E agora, de repente, lembra-se de mim e fica todo amoroso. Isso irrita-me."

"Na verdade, eu achava o Klaus bastante simpático", diz a avó. "Ele fazia-me sempre rir."

"Eu também, mas isso foi há séculos. Estou farta do Klaus. Ele é a última pessoa neste planeta a quem eu pediria ajuda em tempos de necessidade."

"Eu percebo isso. Ainda me tens a mim para te ajudar nos momentos de necessidade, minha filha. E a tua profissão.

"Ia agora mesmo dizer-te isso. Estou falido.

"Isso não pode ser verdade, és jovem, inteligente e bem sucedido. Diz-me, porque é que estás falido?"

"Bem, sou jovem, é verdade. E essa é a minha desvantagem neste negócio. Sou um web designer, uma espécie de designer gráfico que trabalha na Internet. Lembra-se disso?"

"Sim, lembro-me disso. E agora tens problemas?

"O meu problema é, de facto, a minha idade. Sou novo na profissão e só consigo trabalho quando um cliente o quer muito barato. Por isso, aproveitam-se regularmente de mim e estou cada vez menos à vontade com o meu dinheiro".

A avó quer saber se é o caso de toda a gente na sua profissão.

"Sim, toda a gente que começa tem esse problema. O mercado é muito competitivo. Quem já está no negócio há algum tempo tem uma boa rede de contactos e não quer partilhar a sua fatia do bolo com ninguém. São precisos anos para construir a sua própria rede. Eu já não tenho esse tempo. Hoje perdi o meu último cliente. Ele diz que eu trabalho demasiado devagar. Estou acabado, terminado e pronto".

"Nunca digas isso, minha filha. Tens a bela casa que te deixei. Além disso, comprei acções para ti como garantia, valem muito mais agora do que valiam na altura. Posso trocá-las por ti em qualquer altura".

"Deixa estar, avó, é muito simpático da tua parte, mas já fizeste muito por mim. Hoje fui ao meu banco pedir um empréstimo".

"Porque farias isso? Dou-te tudo sem juros e nem sequer tens de o pagar. Não percebo porque foste ao banco".

"Já não interessa, recusaram o empréstimo e não aceitam a casa como garantia."

"Como é que isso é possível? Uma casa de colmo como esta é uma joia. Mesmo que esteja a ficar um pouco velha."

"Um pouco gasta. O consultor do banco até lhe chamou um edifício abandonado. Deu-me um longo sermão. Sobre proteção de monumentos, estruturas materiais complexas, empresas de construção dispendiosas, aquisição de materiais dispendiosa. Já nem sequer ouvi mais. No fim, abanou a cabeça com tristeza.

"Isso é mau. Mas não te preocupes, minha filha. Está a fazer-se tarde. Agora vai dormir e amanhã vamos vender as minhas acções. Vais ficar espantado por ainda sobrar muito no final".

"Obrigada, avó, é encantadora"

"Tu também, minha querida. Boa noite!"

Quando Grete ficou sozinha no seu quarto, atirou-se para a cama. Gritou a sua dor, a sua solidão e o seu profundo desespero para fora da sua alma. Tinha perdido toda a esperança.

Na manhã seguinte, telefonou a Klaus. Ele ainda tinha o número que ela conhecia e, pelo menos, a sua voz não tinha envelhecido.

Ele parecia feliz por receber a chamada e sugeriu que tomassem café juntos algures na cidade, de preferência esta tarde.

Ela concordou sem pensar. Deve estar louca.

Klaus queria desabafar.

"Não me importo de estar a cuidar da campa dos teus avós há cinco anos. Mas tu gostavas muito da tua avó. Porque é que não lhe fazes uma visita?"

"Detesto campas e prefiro recordar a minha avó da forma como a conheci. Há cinco anos que falo com um fantasma e obtenho sempre respostas às minhas perguntas."

Impresso       Privacidade     Imaginens: www.pixabay.com